Telecomunicação tem a ver com a sociedade da informação?

Nesta quarta-feira, 17, data em que se comemora o Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação, é necessário pensar sobre a relação existente entre telecomunicação e comunicação.

Embora os termos pareçam muitas vezes desconectados entre si, eles estão simultaneamente presentes na vida das pessoas e podemos verificar isso quando usamos nossos smartphones, acessamos nossos e-mails, fazemos ligações de voz ou vídeo, baixamos um aplicativo, entre muitas outras coisas.

Nesta entrevista com Vicente Soares Neto[1], autor de obras como Projetos de Telecomunicações – Metodologias, Técnicas e Análises, da Editora Érica, ele faz uma importante avaliação sobre as relações humanas na sociedade da informação atual e traz um panorama sobre o histórico e as perspectivas da telecomunicação no Brasil.

Entrevista com Vicente Soares Neto, autor de Projetos de Telecomunicações

Canal Técnico – Qual o ponto de encontro entre telecomunicação e comunicação na sociedade?

Vicente Soares Neto – Na história das telecomunicações, uso o termo no plural devido à grande diversidade de meios de comunicação existentes e disponíveis para a sociedade, tanto para pessoas físicas como para empresas, desde os tempos mais remotos, este tem sido o ponto diferencial para o desenvolvimento da sociedade.

A simples correlação entre as civilizações antigas com a atual mostra o quanto as telecomunicações têm contribuído para este desenvolvimento.  No início do século XXI, uma nova perspectiva ocupa uma janela de oportunidades para os estudantes de Engenharia e para profissionais já formados. Para operar, as empresas privadas necessitam de Sistemas de Telecomunicações capazes de trafegar bandas de alta velocidade, principalmente para a criação de minas autônomas, na área de mineração, ferrovias e rodovias. O setor elétrico também tem um papel fundamental neste segmento.


­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­

A conexão entre pessoas, consequentemente muda conceitos, tanto no campo social como no cenário das relações profissionais. (…) Como consequência disso, poderemos passar a viver o irreal, sem compreensão dos fatos, sem os sentimentos e, sobretudo, sem a tolerância (…)


CT – A telecomunicação hoje vai muito além dos telefones e a velocidade da comunicação chega a ser alucinante. Como lidar com tanta informação ao mesmo tempo?

Vicente Soares Neto – Informação é um conhecimento. Ela é instantânea e se modifica a cada minuto. A filtragem da informação recebida através das mídias sociais, avaliando o que é importante para cada um individualmente, é o ponto mais importante no momento. Além disto, o conteúdo da informação recebida tem que ser avaliado e verificado, para que possamos saber da sua veracidade.

CT – Existe também a relação telecomunicação + comunicação + internet. Como isso se reflete na vida das pessoas, profissional e socialmente?

Vicente Soares Neto – Essa relação existe, sim. A conexão entre pessoas muda conceitos, tanto no campo social como no cenário das relações profissionais. Entretanto, devemos ficar atentos ao fato de estarmos vivendo um processo abrangente de virtualização de nossas relações pessoais.  Como consequência disso, poderemos passar a viver o “irreal”, sem a compreensão dos fatos, sem os sentimentos e, sobretudo, sem a tolerância, que ainda é normal quando olhamos uns nos olhos dos outros.

 CT – Ainda sobre a sociedade da informação, o que se desenha para o futuro nas relações humanas?

Vicente Soares Neto – Uma nova realidade já está nascendo diante dos impactos das novas tecnologias aliada às telecomunicações. Por outro lado, a sociedade tem que ficar muito atenta a essas novas facilidades, pois não será uma surpresa que em um futuro bem próximo tenhamos apenas bancos virtuais e escolas sem professores, com a utilização de softwares para a aprendizagem. O processo migratório para as cidades menores será, então, uma realidade, na busca por melhor qualidade de vida e segurança.

CT – Pensando mais na questão técnica, qual a capacidade atual de alcance da telecomunicação no Brasil? E quais são as expectativas?

Vicente Soares Neto – Apesar dos grandes avanços alcançados desde 1997 com a privatização do setor, mesmo diante de uma crise econômica sem precedentes em nossa história, há ainda uma necessidade muito grande de investimentos no setor, a fim de proporcionar uma melhor qualidade aos sistemas e serviços operantes no Brasil. Quanto às expectativas para os próximos anos, acredito que as grandes empresas que atualmente exploram os serviços de telefonia fixa, móvel, internet e TV, venham a ser, no futuro próximo, empresas de transporte de informação, possibilitando a utilização de outros tipos de tráfego, como os originados pela “Internet das Coisas”.


Informação é um conhecimento. Ela é instantânea e se modifica a cada minuto. (…) o conteúdo da informação recebida tem que ser avaliado e verificado, para que possamos saber da sua veracidade.


CT – Poucas empresas dominam o mercado de telecomunicações no Brasil, isso é ruim para o consumidor? Por quê?

Vicente Soares Neto – O mercado de telecomunicações não é composto somente de quatro empresas que atuam vendendo serviços de telefonia fixa, móvel, internet e TV. A Telefonica, a America Móvel, a Tim e a Oi, na realidade, possuem quase 95% do mercado. Temos visto a evolução das empresas denominadas de “espelhinhos” e das empresas que exploram os serviços de internet, as detentoras de outorga de Serviço de Comunicação Multimídia.

Com poucas empresas explorando o mercado, fica comprometida a penetração dos serviços, isto é, o atendimento a áreas geográficas com baixo valor do PIB. Além disso, a qualidade do acesso a dados, à internet, por exemplo, ainda é uma realidade que deixa muito a desejar em relação às expectativas dos usuários.

Se compararmos os serviços prestados no Brasil com outros países, podemos dizer que são muito caros e com qualidade aquém do esperado.

Canal Técnico – Como foi o início da telecomunicação no Brasil?

Vicente Soares Neto – Pode-se dizer que o início das telecomunicações no Brasil foi com o Marechal Rondon, responsável pela instalação das linhas telegráficas que uniram este país, a partir de 1892. Em 1893, o padre gaúcho Roberto Landell de Moura desenvolveu a primeira transmissão via rádio, na mesma época do alemão Herich Hertz e Marconi. Várias fases no desenvolvimento das telecomunicações podem ser definidas no Brasil:

1ª Fase: Momento em que as prefeituras eram responsáveis pela emissão da outorga de exploração dos serviços de telecomunicações, existindo até a criação da Telebras, em 1972;

2ª Fase: Foi um momento muito importante da era das telecomunicações porque de 1972 até 1997 foram criadas 27 empresas estaduais. As Teles e uma empresa nacional, a Embratel. As Teles eram responsáveis pela comunicação dentro dos estados e a Embratel pela comunicação entre os estados;

3ª Fase: Ocorre a partir de 1997, com a privatização do Sistema Telebras, fato histórico que possibilitou a massificação das telefonias fixa e móvel;

4ª Fase: Este é um novo desafio imposto pelo avanço dos meios de comunicação, iniciado em 2015, que proporcionou a convergência total dos meios de comunicação ocasionada pela “Internet das Coisas”, que deve estar consolidada até 2020 no cenário internacional.


[1] Vicente Soares Neto é engenheiro, escritor, poeta, professor e astrônomo amador. Atualmente é vice-presidente da Sociedade Mineira dos Engenheiros, membro da Academia Cam­po-Belense de Letras, em que ocupa a cadeira número 40, diretor executivo da Lynce Consultoria do Brasil Ltda., empresa que atua no mercado há mais de duas décadas e presta consul­toria ao mercado de telecomunicações em âmbitos nacional e internacional. Graduado em Engenharia de Telecomunicações e em Engenharia Eletricista e Eletrônica pelo Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel) em 1972 e 1980, respectivamente, é especialista em Computação Analógica pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá (EFEI) desde 1972, e especia­lista em Teleinformática pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) desde 1985.


Saiba mais sobre telecomunicações lendo os livros da Editora Érica

Princípios de Telecomunicações – Teoria e Prática – Com linguagem clara, esta obra explica os conceitos básicos de telecomunicação, analisa as linhas de transmissão e a importância das antenas e aborda os sinais elétricos da informação, suas denominações, sinal periódico, conversão e formatos.
VER MAIS

Telemática – Convergência de Dados, Voz e Imagem – Este livro trata da evolução das telecomunicações e da comunicação de dados, aborda as redes de computadores, seus dispositivos, os métodos de acesso e a tecnologia de switches, explica o Modelo de Referência OSI.
VER MAIS

Telecomunicações – Sistemas de Modulação – Uma Visão Sistêmica – O livro aborda as técnicas utilizadas em modulação de forma simples e clara e com exercícios práticos para facilitar o aprendizado. Fornece uma introdução ao sistema de comunicações, características das principais unidades de…
VER MAIS

Projeto de Telecomunicações – Metodologias, Técnicas e Análises – Tema raro na literatura brasileira, aborda a questão do planejamento de telecomunicação, indicando sua importância e seus impactos em uma sociedade em constante mudança.
VER MAIS 

Redes GSM, GPRS, EDGE e UMTS – Evolução a Caminho da Quarta Geração – Fruto da experiência do autor na área de telecomunicações e de um exaustivo trabalho de pesquisa, este livro descreve os princípios básicos dos sistemas celulares, arquitetura e protocolos da rede GSM.
VER MAIS

2 comentários para “Telecomunicação tem a ver com a sociedade da informação?”

    1. Obrigado, Lucas. \o/
      Sinta-se convidado para sugerir novos temas para nossas postagens. Nosso blog é colaborativo e a opinião de todos é muito importante para nós.
      Abraços.
      Equipe Canal Técnico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *