Por que fazer curso técnico? Compare duração, valor e experiência na prática

O número de desempregados no Brasil aumentou em 2017 e bateu a marca de 13,7%, cerca de 14,2 milhões de desempregados no primeiro trimestre do ano, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com esse cenário, muitas pessoas se perguntam: como posso criar condições para manter meu emprego? Ou como poderia conquistar um posição melhor diante de tanta concorrência?

A resposta pode estar no curso técnico. Os cursos são rápidos, com duração de 12 a 18 meses e têm uma formação voltada totalmente para a prática profissional,  garantindo uma melhor preparação para o estudante, que chega na empresa conhecendo um pouco da rotina que enfrentará diariamente.

Além disso, estudos do Senai mostram que um trabalhador que tenha formação ténica tem uma salário 30% maior em comparação com empregados que não fizeram especialização. E a chance de entrar no mercado de trabalho aumenta em 50% com a formação técnica, fator que pode ser fundamental para a entrada ou permanência no mercado de trabalho, levando em consideração os altos índices de desemprego no País.

Mesmo com todas essas vantagens em relação à educação profissional e técnica, muitas pessoas acabam optando pela graduação, por acreditarem que terão melhores cargos e salários ao terminarem os estudos. Mas a realidade é um pouco diferente.

Curso técnico x Graduação

A ideia de que um diploma de graduação é garantia de sucesso profissional ainda é muito forte no Brasil. Prova disso é o fato de 18% dos jovens brasileiros, de 16 a 24 anos, estarem matriculados em faculdades e universidades. E apenas 3% optarem pela formação profissional, de acordo com dados do Ibope.

É certo que esse percentual pode aumentar com a Reforma do Ensino Médio, que possibilitará ao estudante escolher o caminho da formação técnica e profissional atrelada ao estudo do ensino médio regular. Mas antes que essa realidade mude, é necessário falar de algumas vantagens do curso técnico em relação à graduação.

Duração

No curso técnico o aluno obtém o diploma em um período que varia de 12  a 18 meses, dependendo do curso escolhido.

A graduação tem uma média de duração de 4 anos, tempo que o aluno levaria para se formar e conquistar o tão sonhado diploma.

Prática

Cursos técnicos são totalmente voltados para a prática profissional e preparam o estudante de acordo com as necessidades das empresas, principalmente com as atualizações exigidas para cada segmento de atuação.

Na graduação, a formação é mais generalista e traz elementos teóricos que podem distanciar o aluno da prática profissional, formando um profissional mais analítico.

Valor

A média de custo mensal para um curso técnico de Eletrônica é de R$300,00, por exemplo. Somando os 18 meses de duração do curso, haveria um gasto de R$5.400,00 para a formação do aluno. Esse valor é mais acessível e permite que um número maior de pessoas comece e termine os estudos.

A graduação de Engenharia Eletrônica aparece em 7º lugar entre os 10 cursos mais caros do Brasil. A média da mensalidade é de R$1664,00. Multiplicando esse valor pelos 4 anos do curso, seriam desembolsados cerca de R$99.815,00 até a colação de grau.

Uma diferença de valor significativa em comparação com o curso técnico.

Cursos técnicos com maior demanda para 2017

O estudo Escassez de Talentos, da ManpowerGroup, mostra que a área técnica é o setor em que o Brasil tem maior dificuldade para encontrar profissionais qualificados.

Pensando em critérios como salários iniciais e demanda por profissionais na área, estes são alguns cursos técnicos em alta no momento:

Técnico em Meio Ambiente

Possíveis campos de atuação: Instituições de assistência técnica, pesquisa e extensão rural. Estações de tratamento de resíduos. Profissional autônomo. Empreendimento próprio. Empresas de licenciamento ambiental. Unidades de conservação ambiental. Cooperativas e associações.

Técnico em Redes de Computadores

Possíveis campos de atuação: Prestação de serviços. Provedores de acesso a redes.

Técnico em Mecânica

Possíveis campos de atuação: Fábricas de máquinas, equipamentos e componentes mecânicos. Atividades de manutenção de qualquer indústria. Indústria aeroespacial. Indústria automobilística. Indústria metalmecânica em geral. Indústrias de alimentos e bebidas, termoelétricas e siderúrgicas.

Técnico em Eletrotécnica

Possíveis campos de atuação: Empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Empresas que atuam na instalação, manutenção, comercialização e utilização de equipamentos e sistemas elétricos. Grupos de pesquisa que desenvolvam projetos na área de sistemas elétricos. Laboratórios de controle de qualidade, calibração e manutenção. Indústrias de fabricação de máquinas, componentes e equipamentos elétricos. Concessionárias e prestadores de serviços de telecomunicações. Indústrias de transformação e extrativa em geral.

Técnico em Segurança do Trabalho

Possíveis campos de atuação: Indústrias. Hospitais. Comércios. Construção civil. Portos e aeroportos. Centrais de logística. Instituições de ensino. Fabricação e representação de equipamentos de segurança. Empresas e consultorias para capacitações em segurança do trabalho.

Técnico em Logística

Possíveis campos de atuação: Instituições públicas, privadas e do terceiro setor.

Conheça livros que podem ajudar você na prática profissional. Mesmo com o curso concluído é sempre importante ler e se manter atualizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *