Como elaborar um plano de gestão escolar eficiente?

Sabe aquela meta bem ambiciosa que você traçou para sua escola? Então, batê-la é sempre um desafio, mas a tarefa pode ficar ainda mais difícil se você não tiver um bom plano de gestão escolar.

Mas você sabe o que precisa ter nesse plano? É importante conhecer todas as possíveis estratégias você deve adotar ao longo do ano para chegar à meta estabelecida, bem como medir a performance da sua escola e engajar a equipe a cumprir todos os compromissos.

Abaixo, preparamos um miniguia para você se basear antes de montar um plano de gestão escolar eficiente. Confira!

O que é um plano de gestão escolar?

Um plano de gestão escolar nada mais é do que um documento em que o gestor da escola registra todas as estratégias, decisões e ações que serão tomadas em um determinado período de tempo – geralmente de 1 (um) ano.

Em linhas gerais, trata-se de um planejamento completo de tudo o que deverá ser feito para que se atinja uma meta previamente definida. Da mesma forma, o plano de gestão deve ser flexível, isto é, permitir mudanças sempre que necessário.

Também deve ser sempre atualizado. Ou seja, sempre que alguma nova ação for implementada, ou algo que não estava previsto antes, é importante deixar tudo devidamente registrado.

Por que é importante?

É responsabilidade do gestor da escola cuidar para que ela seja um negócio sustentável e, claro, bem-sucedido. Para isso, porém, é necessário que se adquira um papel estratégico na tomada de decisão, estabelecendo metas de crescimento e dando especial atenção a pontos sensíveis que impactam diretamente na saúde financeira da escola. A retenção e captação de alunos, problemas como evasão escolar, planos contábeis, contratação e formação de professores são alguns exemplos.

Só que para dar conta de tudo isso é fundamental que haja um planejamento bem definido. E o plano de gestão escolar é o instrumento perfeito para organizar todas as informações e documentar aquilo que foi pensado e decidido.

Serve, inclusive, como forma de mensurar futuramente o que deu certo e o que não deu, para recolher aprendizados e aplica-los naquilo que efetivamente vai ajudar a escola a bater metas.

Como montar um plano de gestão eficiente para a escola?

Tendo tudo isso em vista, como começar a montar um plano de gestão escolar que seja realmente eficiente?

O primeiro passo é simples: planeje todas as ações que deseja implementar ao longo do próximo ano e registre. Lembre-se, claro, de deixar espaços para ideias e que todo o planejamento deve ser flexível caso as coisas não saiam conforme o planejado e você deseje fazer alterações.

Por isso, priorize as ações que você julgar essenciais para chegar à meta da escola. Se a formação continuada de seu corpo docente for uma dessas ações, coloque como prioridade para trabalhar ao longo do ano. Se aumentar a taxa de captação de novos alunos for um objetivo, liste todas as ações que poderão ajudar a fazer este gráfico subir.

Coloque todas as ideias, estabeleça as prioridades e depois comece a destrinchar cada uma para verificar viabilidade e quais caminhos deverão ser percorridos até que as ações sejam concluídas e atinjam os resultados esperados.

Não economize tempo nesta atividade. É importante pensar muito para ter segurança de que o caminho escolhido faz sentido e que também fará diferença ao término dos 12 meses.

O que é o planejamento escolar participativo?

Incluir professores e funcionários no processo de decisão das ações e criação do plano estratégico da escola é a melhor definição para planejamento escolar participativo. Como o próprio nome indica, significa envolver outras pessoas, direta ou indiretamente, para decidir em conjunto o que será traçado – e alcançado – ao longo do ano seguinte.

Na realidade, toda a comunidade escolar pode ser envolvida, até mesmo pais e alunos (se for conveniente).

Funciona da seguinte maneira: primeiramente, todos apresentam propostas que consideram interessantes para a escola. Depois, todos votam as propostas uns dos outros, levando sempre em conta a prioridade e viabilidade de cada uma.

Mas fique atento: o planejamento escolar participativo não pode dar certo se os envolvidos não tiverem acesso a informações importantes na tomada de decisão. Antes de mais nada, é fundamental que a gestão da escola seja transparente e apresente a realidade, sem esconder os problemas, para que os integrantes possam discutir soluções que façam sentido.

Aplique o projeto político-pedagógico

Lembra das metas que discutimos mais acima? O projeto político-pedagógico nada mais é do que um conjunto dessas metas – e aspirações – que a escola define como norte para serem cumpridas em três períodos de tempo diferentes – em curto, médio e longo prazo.

Neste projeto, também é importante detalhar os meios que serão utilizados para chegar a essas metas. Juntamente com o plano de gestão escolar, ele também deverá ser atualizado com frequência.

Sempre que houver uma mudança nos ventos que guiam a escola, por exemplo, essas alterações devem ser registradas no projeto político-pedagógico e, consequentemente, no plano de gestão também.

Monitoramento

Aqui reforçamos mais uma vez a importância de efetivamente monitorar tudo o que está documento no plano estratégico.

Para dar certo, é necessário que o gestor procure sempre avaliar o desempenho das ações que foram conduzidas e mensurar os resultados. Essa etapa é importantíssima para tomar melhores decisões no futuro ou até mesmo alterar algum projeto que esteja em curso e que, por exemplo, poderá não dar tão certo como o previsto anteriormente se nada for feito.