Como escolher a melhor plataforma de EAD?

A educação à distância (EAD) no Brasil cresce cerca de 10% ao ano desde 2010, de acordo com dados do Censo da Educação Superior de 2015, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), e a tendência agora é de que esse percentual aumente.

O Decreto 9057/2017, publicado em maio, torna mais fácil o processo de abertura de cursos EAD, e as instituições podem aproveitar o momento para ampliar suas opções de cursos nessa modalidade.

Para que o aluno tenha acesso ao material a ser estudado, bem como contato com o professor e seus colegas de classe, é necessária a utilização de um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), onde acontecerão as interações entre os estudantes, tendo o professor como mediador.

Como escolher a melhor plataforma para educação à distância (EAD)?

Uma tarefa difícil é escolher a melhor plataforma a ser utilizada. Entre tantas opções no mercado, como Moodle, Blackboard e Canvas, as instituições devem pesar a relação custo-benefício.

Algumas necessitam de mais investimento, outras menos, por não terem tantas opções de interatividade para serem aplicadas ao longo do curso. E, nos dias de hoje, menos interatividade pode significar aprendizado aquém do esperado e até mesmo ocasionar desinteresse do aluno com o curso.

Mas também é necessário pensar que  quanto mais interação, maior será a  necessidade de uma excelente banda larga. E, infelizmente, nem sempre essa é a realidade dos alunos e das escolas brasileiras.

Se o estudante perde o interesse e se sente desmotivado, seja pela forma como o conteúdo é apresentado, seja pela qualidade desse material ou mesmo pelas restrições do AVA utilizado pela instituição, ele pode abandonar o curso e ficar com uma impressão ruim, que será repassada para as pessoas mais próximas.

Isso é muito ruim para a instituição de ensino porque, além de aumentar a taxa de evasão, ela pode não conseguir novos alunos por conta da repercussão negativa que acontece por meio do boca a boca, ou pelas redes sociais, que são muito utilizadas atualmente para o relato de experiências, sejam elas boas ou más.

Nesse momento, contar com um parceiro que dê suporte não apenas no desenvolvimento e na entrega do conteúdo, como também na forma como ele é disponibilizado e apresentado ao aluno, é fundamental.

A Somos Ensino Técnico, com a plataforma Canvas, referência mundial em EAD e utilizada por universidades como Harvard e Stanford, oferece aos clientes toda a estrutura necessária para o aprendizado efetivo dos alunos. As soluções EAD atendem tanto instituições que não possuem um AVA próprio, como aquelas que já possuem a estrutura e precisam apenas do conteúdo para o curso.

Além das plataformas de educação a distância, que são usadas para cursos 100% EAD e semipresenciais, a tecnologia invade as salas de aulas diariamente e faz parte da realidade do universo educacional. O grande desafio é saber como lidar com tanta tecnologia e torná-la uma aliada da educação.

Tecnologia na sala de aula

Atualmente, o uso de tecnologia em sala de aula vai muito além de apresentações feitas em PowerPoint, ou mesmo do uso do laboratório de informática para realizar pesquisas.

Alunos, professores e escola estão conectados em uma rede de comunicação virtual que produz e compartilha informação o tempo todo. Competir com isso e tentar restringir o uso da internet em sala de aula pode ser um grande erro para o professor.

Para se ter uma ideia da quantidade de dados que estão disponíveis aos usuários por minuto que se passa conectado, a empresa de software Domo publicou uma pesquisa em 2016 revelando que a cada 60 segundos internautas fazem o upload de 400 horas de vídeo no Youtube, cerca de 86 mil horas de vídeos são assistidas na Netflix e o Google traduz 69,5 milhões de palavras.

O smartphone pode ser um dos principais responsáveis por esse volume gigante de produção de conteúdo porque possibilita a mobilidade e faz aumentar o imediatismo com que as informações são recebidas, assimiladas e compartilhadas pelos usuários.

Em 2016, o Brasil tinha cerca de 168 milhões de smartphones em uso, número 9% maior em comparação ao ano anterior, quando o total registrado foi de 152 milhões de aparelhos, de acordo com a 27ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP).

Esses dados servem para exemplificar o tamanho do problema criado em uma sala de aula, ou em qualquer ambiente, que se tente impedir o uso de smartphones ou o acesso à internet.

Para saber mais sobre o assunto, indicamos as seguintes leituras:

Com linguagem dialógica e objetiva, trata dos avanços recentes no processo de ensino-aprendizagem, proporcionados pelas ferramentas computacionais e de rede. Apresenta os principais elementos, conceitos e métodos envolvidos na educação apoiada por Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA).

VER LIVRO

Esta obra apresenta os fundamentos da educação a distância, dos primórdios ao contexto atual. Conceitua EAD e aborda a normatização dessa modalidade de ensino, com a aprovação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) em 1996. Distingue o EAD da modalidade presencial e desmistifica as facilidades de acesso oferecidas com base nas tecnologias.

VER LIVRO

2 comentários para “Como escolher a melhor plataforma de EAD?”

  1. É de grande valia o uso dessa ferramenta na sala de aula, pois além de chamar atenção, ou seja de prender o aluno, garante com rapidez e eficácia qual seja o conteúdo que se quer trabalhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *