12 causas para a evasão escolar no Brasil. Conheça!

Um dos mais importantes fatores que impedem o avanço da educação no Brasil é a chamada evasão escolar. Na prática, este movimento é caracterizado pelo abandono em massa de estudantes das salas de aula — e nem de longe é um problema unica e exclusivamente de alunos dos ensinos básico ou médio.

Na realidade, as escolas técnicas têm sofrido e muito com os espaços de estudo cada vez mais vazios. Mas como evitar a evasão? A resposta não é simples, mas algumas políticas preventivas e que promovam o engajamento dos estudantes podem indicar saídas interessantes.

Só que de nada adianta ter mil e uma ideias na cabeça se nós não conhecermos primeiramente as razões pelas quais os estudantes abandonam a sala de aula.

Por isso, após uma pesquisa bastante aprofundada e conversas com diversos especialistas na área, elencamos abaixo as principais causas da evasão escolar no Brasil a partir de três fatores principais: social, necessidades específicas e o próprio ambiente escolar.

Confira!

Núcleo social

1. Pobreza

A falta de condições financeiras impede muitos jovens de se alimentarem, se vestirem e de ter até mesmo as condições mais básicas de higiene.

A escassez de dinheiro também limita o acesso ao material escolar e à internet, o que desincentivando os estudantes a frequentar as instituições de ensino.

2. Acesso limitado às escolas

Muitas comunidades, tanto urbanas quanto rurais, sofrem com o isolamento e com a falta de transporte público para levar os alunos de casa até a escola.

Outras localidades não tiveram investimentos nos últimos anos para a construção de escolas que fiquem próximas às residências de um número considerável de jovens — principalmente os que vivem em regiões mais periféricas e distantes dos grandes centros urbanos.

3. Mercado de trabalho

O próprio mercado de trabalho acaba se tornando uma janela para jovens na faixa dos 15 a 18 anos abandonarem a escola e começarem precocemente a trabalhar para sustentar a casa.

Muitos até tentam equilibrar as duas atividades, mas não é raro acabar deixando alguma delas de lado com o tempo.

4. Violência

O bullying (psicológico e físico) e a violência doméstica muitas vezes são fatores que desestimulam os jovens a querer frequentar escolas.

A ausência de políticas de assistência social e de debates mais profundos sobre a violência na sala de aula e até mesmo em casa são alguns dos principais fatores que levam a este cenário.

5. Envolvimento com atividades ilegais

O uso de drogas e o contato com atividades ilegais de todo tipo, como o tráfico, muitas vezes é resultado da própria evasão escolar. Mas, em certo ponto, ela acaba aparecendo também como causa para que o problema não cesse sem políticas públicas eficientes.

Forma-se, assim, um ciclo vicioso que impede sistematicamente que o estudante volte e/ou permaneça nas salas de aula.

Necessidades e momentos especiais

6. Alunos com necessidades especiais

Pessoas com algum tipo ou grau de deficiência sofrem para se adaptar a ambientes que não estão preparados para recebê-los.

Da mesma forma, muitos professores não têm a formação necessária e nem o cuidado para acompanhar esses estudantes continuamente.

7. Déficit de aprendizagem

O contexto social em que muitos jovens estão inseridos acabam influenciando no atraso dos estudos e na evasão escolar.

O fato de repetir de ano, por exemplo, é um grande vilão e causa frequente de desengajamento dos jovens.

Embora cada caso seja um caso, é importante garantir que, da mesma forma que estudantes sejam aprovados porque apreenderam todo o conteúdo passado, também é necessário estimulá-los para sempre quererem aprender e evoluir. E nem sempre a reprovação é o melhor caminho para isso.

8. Gravidez e maternidade

A gravidez na adolescência ainda é um problema crônico no país e, não à toa, um fator que leva muitas jovens a abandonar as salas de aula para cuidarem dos bebês.

Uma vez tendo saído da escola, muitas dificilmente retornam.

Conteúdo e inovação

9. Significado e percepção da importância

Os millennials, geração predominante nas salas de aula hoje, trabalham com significado. Em outras palavras, gostam de entender exatamente por que estão exercendo aquelas atividades e de que forma o currículo escolar está fazendo sentido para aquilo que elas querem ou anseiam para as próprias vidas.

Desta forma, o fato do conteúdo escolar muitas vezes não se conectar com os alunos pode ser determinante para incentivar ou desincentivar a presença deles nas escolas.

É importante mapear o perfil dos estudantes e trabalhar para que o currículo estudantil harmonize com os seus objetivos. Deixar claro a importância que os estudos têm para o futuro dos alunos ajuda a fortalecer a ideia de que estão caminhando para algum lugar.

10. Qualidade do ensino1

A percepção da falta de qualidade em muitas escolas pode dar a ideia aos alunos de que o tempo investido nas salas de aula não compensa.

Isso também é percebido em outras características nas escolas, principalmente tendo em vista o volume excessivo de estudantes presente na mesma sala e até mesmo a falta de preparo dos professores.

11. Clima e ambiente

A escola nem sempre tem o clima mais adequado para receber os estudantes. Ambientes opressores, fechados, mal ventilados, feios ou mal estruturados impedem que os alunos se sintam confortáveis em sala de aula.

12. Emocional e inovação

A adolescência é uma fase de transição difícil e as emoções tem grande peso nas tomadas de decisão. É importante compreender o momento de vida que cada aluno passa e caminhar lado a lado com a inovação para propor atividades que engajem as motivações pessoais de cada um.