10 ações para reduzir a inadimplência na sua escola

Quem é ou já foi gestor de escola no Brasil sabe que existe uma série de desafios diários a serem vencidos, e na educação técnica essa situação não é diferente.

Muitas são as dúvidas sobre como aumentar o número de matrículas, como reter o aluno e evitar a evasão, como fazer parcerias, como lidar com a inadimplência, entre muitas outras situações que surgem a cada dia de trabalho.

Entre os exemplos citados, um dos mais delicados é a inadimplência. É necessário cobrar o aluno, ou o responsável que paga a mensalidade do curso, mas como fazer isso sem abalar as bases do relacionamento construído até então?

Uma cobrança mal feita ou mal gerenciada pode colocar fim à matrícula de um aluno ou acabar com a possibilidade de indicação de novos estudantes. Mas é necessária para que a saúde financeira da instituição de ensino se mantenha saudável — ou pelo menos estável.

Saúde financeira equilibrada

A saúde financeira das instituições escolares é essencial para a excelência das práticas de ensino. Não há escola que consiga oferecer boa educação sem um financeiro saudável. E o atual cenário econômico do país exige que as instituições busquem as melhores práticas para reduzir e, se possível, eliminar de vez a inadimplência.

Os gestores Marcela Magnavita e Pedro Guimarães, do grupo SOMOS Educação, elaboraram uma estratégia de redução de inadimplência que conseguiu diminuir em até 40% o estoque da dívida, enquanto o resultado de escolas que não adotaram a estratégia foi de apenas 20%.

Segundo a estratégia, é preciso atacar a inadimplência sem vergonha de fazer a cobrança. Para isso, o gestor precisa mobilizar toda a equipe e executar um roteiro de cobrança: conhecer o perfil dos clientes, flexibilizar as negociações e, se necessário, fazer parcelamento no cartão de crédito, dentro do ano letivo.

No Colégio SER, de Taboão da Serra, o gestor Marcel Gama já conseguiu resultado muito expressivo com a estratégia de redução da inadimplência. Em pouco tempo de aplicação da nova prática, ele conseguiu reduzir o volume da dívida para 7,5%.

10 ações para reduzir a inadimplência na sua escola

Para contribuir com as outras escolas do sistema, Marcela e Pedro elaboraram uma lista com dez ações indispensáveis para fazer a cobrança e acabar com a inadimplência nas escolas:

1. Comece com o básico: o importante é cobrar. O mau cobrador sempre recebe por último;

2. Filtre na entrada: faça a análise do perfil financeiro e consulte o SPC ou o Serasa;

3. Elabore um bom contrato de serviço: garanta um contrato físico com assinatura e duas testemunhas;

4. Defina uma régua (roteiro) de cobrança: adapte a estratégia para alunos ativos e inativos. Comece com ações preventivas via SMS e e-mail e defina ações diferentes por perfil e número de parcelas em atraso;

5. Conheça a real situação do seu cliente: consulte o perfil financeiro, o histórico de pagamentos e de contatos feitos com o cliente;

6. Esgote as opções de cobrança extrajudicial antes de seguir para o jurídico: o processo judicial é caro e moroso;

7. Defina uma política de negociação de débitos com régua e alçadas de descontos: termos de confissão de dívida; inclua parcelamento (dentro do ano letivo); meios de pagamento (boleto, cartão, dinheiro);

8. Defina metas e acompanhe a evolução: prepare seus relatórios e tenha métricas claras para avaliar inadimplência mensal e acumulada, rolagem de dívida e PDD. Na falta de um sistema, utilize o Excel;

9. Defina um responsável e tenha disciplina: dedique uma pessoa para a função e ofereça incentivos financeiros à equipe;

10. Não tenha medo de cobrar: um bom relacionamento requer zelo, mas não é intocável. Se as ações não funcionarem, não hesite em fazer adaptações na estratégia.

 

 

Fonte: Blog Rede de Experiências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *